Imprensa Sindical por Val Gomes

x

Fale comigo

Preencha os campos abaixo e deixe sua mensagem

OIT debate o Trabalho Decente no mundo

OIT640

De 30 de maio a 11 de junho, a OIT (Organização Internacional do Trabalho) realiza no Palácio das Nações Unidas, em Genebra, Suíça, a 105ª Conferência Internacional do Trabalho de 2016, este ano com o tema “Trabalho Decente nas Cadeias Globais de Valor”. O evento reúne líderes de todo o mundo e a delegação brasileira está composta por dois delegados do governo, um delegado dos empresários e um delegado dos trabalhadores, cada qual com direito a dez conselheiros técnicos, cinco suplentes e observadores.
O presidente da Federação dos Químicos do Estado de São Paulo, Sérgio Leite, o Serginho, é o delegado oficial dos trabalhadores, e a secretária de Direitos Humanos e Cidadania da Força Sindical, Ruth Coelho Monteiro, é a delegada adjunta.
“Vamos lutar por uma convenção ou recomendação da OIT responsabilizando as marcas ou empresas multinacionais sobre as cadeias de valor, que são um conjunto de atividades que envolvem a confecção de um produto desde o início até a entrega ao consumidor final. Nosso objetivo é garantir, por meio de acordos globais, o trabalho decente em todos os elos da cadeia, em todos os países do mundo”, diz Ruth.
Para a classe trabalhadora, o trabalho decente é sinônimo de liberdade de organização sindical e negociação coletiva, respeito às normas do trabalho internacionais e nacionais, diálogo social permanente, garantia do salário mínimo vital, geração de empregos dignos, eliminação do trabalho escravo e do trabalho infantil e não discriminação por sexo, raça, etnia, religião ou convicção política.
“Os governos precisam fazer com que as empresas multinacionais, grandes concentradoras da riqueza mundial, tenham respeito ao meio ambiente e compromisso com o combate à pobreza e às desigualdades econômicas e sociais. Isto é fundamental para a conquista do desenvolvimento sustentável de todos os países”, diz Ruth.
Além da Força Sindical, participam representantes da CUT, CTB, UGT, Nova Central e CSB.

Val Gomes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *